Mãos ao ar

Blogue de discussão desportiva. Qualquer semelhança entre este blogue e uma fonte de informação credível é pura coincidência e não foi minimamente prevista pelos seus autores. Desde já nos penitenciamos se, acidentalmente, relatarmos uma informação com um fundo de verdade. Não era, nem é, nossa intenção.

quinta-feira, novembro 16, 2006

O Estranho Caso dos Relógios

Este história foi-me contada por um amigo meu que é jornalista, e já tem alguns aninhos. Infelizmente, comprometi-me a não revelar nomes e, por isso, os indivíduos aqui referidos obedecem a iniciais: V.B., F.C. e L.F. O único que estou autorizado a esclarecer é o J, de jornalista, o tal meu amigo, mas possa dar pistas em relação aos outros protagonistas: o primeiro é tido no meio como o melhor guarda-redes português de todos os tempos e até da galáxia, o segundo é um central que se destacava pela farta cabeleira e por dar pau em tudo o que mexia e o último é reconhecido como o jogador mais internacional de sempre. E mais não posso dizer.
Na altura, estes três jogadores alinhavam no clube mais representativo de uma região do país vizinho que faz fronteira com França e que possui uma língua própria. É um colosso mundial e equipa de grená e azul mas, lamentavelmente, não posso dizer o nome. Pois bem, J teve uma ideia brilhante – juntava os três, entrevistava-os e, no fim, eram fotografados vestidos com fatos de mosqueteiros previamente alugados. O título da entrevista, J já tinha imaginado, seria “Os três mosqueteiros do XYZ” (o nome do tal clube).
J telefonou a L.F., com quem tinha mais confiança e lançou o repto. L.F. achou giro e J pediu-lhe “Pá, podes explicar aos outros e ver se eles também alinham?” Dois dias depois, recebeu a confirmação: “Pá, por eles tudo bem”. Foram feitas as diligências e aproveitando um estágio da selecção nacional no Porto, combinou-se a entrevista. J foi à Invicta, chegou ao hotel da selecção, encontrou L.F e disse que estava tudo pronto. Este assentiu com a cabeça e pediu para ficar para depois do almoço. Ok. J pediu que o hotel cedesse uma sala para se tirar a fotografia, montou um estúdio improvisado, alinhou os fatos de mosqueteiro todos engomados e ficou à espera. Passada uma hora, os jogadores desceram para o átrio do hotel onde J os aguardava. E travou-se o seguinte diálogo:
J – Então, vamos tirar a foto? Já tenho tudo preparado!
L.F. – Pá, não é bem assim, estive a falar com o V.B e com o F.C. e eles têm algumas propostas...
F.C. – Pois, temos umas propostas a fazer.
V.B – Repara numa coisa: tu tiras a foto, pões no jornal e, connosco vestidos à mosqueteiro, vais vender à brava. E nós, o que ganhamos com isso? Nada, não é?
J – Mas isso está implícito: nós damos uma capa com vocês e vendemos, mas vocês também têm publicidade gratuita e tornam-se mais populares. Sempre foi assim, a imprensa precisa de vocês, da mesma forma que vocês são divulgados por nós.
L.F. – Huuuum…
F.C. Pois…
V.B. – Isso é que era bom! Não precisamos da imprensa para nada, eu já sou super conhecido. É assim: se queres a entrevista e as fotos, queremos ser recompensados!
J – Recompensados? Com quê?
V.B. – Eh pá, nada de especial, apenas uma ofertazita.
J ligou para a redacção, falou com o director, este falou com a administrador. Depois de desligar o telemóvel, J disse-lhes:
- Bom, o administrador concordou em oferecer aos três, e respectivas acompanhantes, um fim-de-semana na neve, em Andorra, com tudo pago.
L.F. – Parece-me bem.
F.C. – Na neve é capaz de ser giro.
V.B. – Na neve?! Eu cá nem gosto de frio… Além disso, qual é o interesse? A cidade onde vivemos é pertíssimo de Andorra. Não, por mim, não!
J – Então não sei, se calhar o melhor é esquecermos…
V.B. – Repara, nós só queremos uma recordação, uma coisa simbólica.
J – Como por exemplo?
V.B. – Pá, um Rolex, por exemplo.
J – Um Rolex?!?!
V.B. – Sim, mas não é preciso ser daqueles de ouro e diamantes, basta um dos mais simples, para oferecermos às nossas mulheres! Não é preciso gastar mais que 300 ou 400 contos em cada um…
J retirou-se de cena. Desistiu da ideia. Voltou para Lisboa cabisbaixo, triste por não ter conseguido o “furo” jornalístico.
Nesse mesmo ano, V.B., depois de um jogo agonizante em que sofreu quatro golos de um clube da capital espanhola (que não posso revelar, mas que equipa às listas vermelhas e brancas e calções azuis), foi relegado para o banco de suplentes, de onde nunca mais saiu – excepto para a bancada, quando nem convocado era. A titularidade foi entregue a um holandês (não posso divulgar, mas começa em H, termina em P e tem um E e um S no meio). F.C. foi oscilando na equipa até ser vendido para outro clube e L.F. manteve-se em grande.
Hoje, V.B. continua no banco de outra equipa, onde os jogadores vêm ter com ele sempre que marcam um golo (será para lhe darem um Rolex?), F.C. arrasta-se por uma liga estrangeira e L.F. tornou-se num dos melhores jogadores do mundo.
J mudou de profissão.

16 Comments:

At quinta-feira, 16 novembro, 2006, Anonymous Agoiro Jr.disse...

É preciso ter muita imaginação, ó Sancho...! ;-)
Mas deixa-me fazer umas emendas: o Valter Bilro acho que ja não joga, depois de sair de Leiria em conflito; o Fernando Calado acho que tambem ja nao joga em Espanha; o Luis Filipe continua a titular do Braga, mas o momento alto da carreira foi ter marcado o 1 golo no Alvalade XXI. Infelizmente.

 
At quinta-feira, 16 novembro, 2006, Anonymous Anónimodisse...

Que o V.B. tem a mania que é o maior do mundo e arredores já eu sabia. Agora, não me faças querer que o L.F. é um gajo com um ego mirradinho, porque isso não é verdade. O L.F., por exemplo, pediu 20 mil euros para dar um autógrafo que ia constar num livro cujos lucros iriam reverter para uma organização de solidariedade. E se quiseres conto-te mais algumas. Além disso, o único jogador português que está entre os maiores do mundo é o D... (Deco). Mas isso, claro, só vê quem percebe de bola.

Um abraço
SP

 
At quinta-feira, 16 novembro, 2006, Anonymous Anónimodisse...

Que f. da p. que esses três gajos me saíram

 
At sexta-feira, 17 novembro, 2006, Anonymous pietradisse...

curioso... não está nenhum jogador do, ou formado no GLORIOSO!!

 
At sexta-feira, 17 novembro, 2006, Anonymous jlafdisse...

Curiosamente, lembro-me de ver o Baía, por essa altura de jogador do FC Catalunya, no Amoreiras a comprar um Rolex!
Pelos vistos o gajo é de ideias fixas!

 
At sexta-feira, 17 novembro, 2006, Blogger Insurrectodisse...

Aqueles que andam pelo banco e pela bancada passaram por um clube de azul e branco vestido...

Há Coisas Fantásticas Não Há??

 
At sexta-feira, 17 novembro, 2006, Anonymous Anatolydisse...

Faltou talvez dizer que provavelmente V.B. já não desejaria hoje um Rolex para oferecer à esposa. Talvez a prenda fosse para alguém mais peludo…

 
At sexta-feira, 17 novembro, 2006, Anonymous Juvenenodisse...

Pietra, jogadores formados onde?
Qual foi o último, e em que ano?
Suponho que o Bulhão ainda não era nascido e olha que ele já não é nenhum puto.
Quanto aos relógios não é para mim nenhuma novidade, a única dúvida da minha parte é saber quem é esse ex-jornalista J. Se é quem eu suponho que deve trabalhar actualmente numa loja de anntiquários e na horas vagas faz comentários de jogos na RTP Memória.

 
At sexta-feira, 17 novembro, 2006, Anonymous pietradisse...

Como eu já disse anteriormente, o Sportem é como um padeiro, amassa para os outros comerem...

 
At sexta-feira, 17 novembro, 2006, Blogger andre_vedderdisse...

Muito bom o vosso blog.
Continuem.
Abraços
Visitem, caso gostem de ver futebol na televisão.

www.futebolnatv.blogspot.com

 
At sábado, 18 novembro, 2006, Blogger joaquim agostinhodisse...

Como esta história devem existir centenas. Não me supreende nada.

 
At domingo, 19 novembro, 2006, Anonymous Dekodisse...

Este 'argumentista' parece o mesmo que escreveu o caso 'Paula' para a SIC aqui à uns anos.

Grande imaginação e só lá estavam gajos de azul e branco...

 
At domingo, 19 novembro, 2006, Blogger Sirdisse...

Então e o dartacão? :-)

 
At segunda-feira, 20 novembro, 2006, Blogger Figas_21disse...

esqueceste-te de dizer que VB só veio para o banco a meio do ano passado. E esqueceste-te que nao foi nada para o banco depois do jogo ocm o madrid e sim depois da lesão que teve, e esqueceste-te tb de dizer que o B ganhou esse jogo, e esqueceste tb que VB veio a tornar-se o futebolista com mais titulos no mundo e que veio a ganhar uma uefa e uma champs, mas foi só isto que te esqueceste...

 
At terça-feira, 21 novembro, 2006, Blogger Bastos Lopesdisse...

os títulos não são prova de integridade...

 
At terça-feira, 21 novembro, 2006, Anonymous Cacciolidisse...

Não deixa de ser curioso que o "alvo" deste texto (que passa a imagem de uma pessoa gananciosa), seja o único futebolista Português que, tanto quanto sei, patrocina uma fundação de solidariedade social...

 

Enviar um comentário

<< Home