Mãos ao ar

Blogue de discussão desportiva. Qualquer semelhança entre este blogue e uma fonte de informação credível é pura coincidência e não foi minimamente prevista pelos seus autores. Desde já nos penitenciamos se, acidentalmente, relatarmos uma informação com um fundo de verdade. Não era, nem é, nossa intenção.

segunda-feira, dezembro 12, 2005

Os Centímetros Fazem Diferença

Desiludam-se os que esperavam de um post com este título uma história de prazeres carnais, virgens ofendidas e transformistas filhas de capitães do Benfica. O post é sério e o autor, na maior parte dos dias, é honrado.
Ocorreram-me, enquanto saía do estádio na sexta-feira, dois pensamentos originais: em primeiro lugar, já basta de lutar contra o destino. É evidente que, sempre que o Sancho Urraco vai à bola, há coisas destas. O Rei Midas alegadamente transformava tudo o que tocava em ouro. O Sancho azeda todos os jogos a que se digna a assistir. Já o chamaram à razão, já lhe ofereceram dinheiro e já lhe ofereceram pancada Mas sua excelência prefere continuar a agoirar. Que seja. Mesmo que isso signifique que, para o ano, estaremos a jogar com o Marco e o Gondomar na Divisão de Honra.
Mas dizia eu que, para além da vontade incontrolável de enviar o meu colega de sector em voo rasante até às profundezas da Terra, senti que este foi um… daqueles jogos. Em todas as temporadas, há jogos-chave. Jogos determinantes, nivelados no resultado e decididos por ínfimos pormenores. Ganhá-los ou perdê-los é muitas vezes uma questão de centímetros (explicação que o popular Reinaldo seguramente tentou oferecer à menina das Doce já lá vão umas boas décadas).
Recordam-se do título de 1999/2000? Muitos consideram o jogo com o FC Porto em Alvalade (saravá, Secretário) o jogo decisivo. Para mim, tão importante como esse, foi um jogo com o Campomaiorense na primeira volta. O Sporting iniciava a recuperação pontual face ao líder, mas fez uma exibição paupérrima contra os alentejanos. Um tal Laelson falhou três bolas na cara do Nélson. Devíamos ter perdido esse jogo e, se isso tivesse ocorrido, o título teria sido uma miragem. A cinco minutos do fim, Vidigal (?), de longa distância (??) e em remate de primeira (???) marcou o golo da vitória. Este foi um jogo… daqueles.
No título de 2001/2002, o jogo-chave foi em casa com o Setúbal. A cinco minutos do fim, Niculae lesionou-se… aparentemente até ao fim da carreira. Jardel e João Pinto já tinham cartões amarelos, o que tornava a tarefa do jogo seguinte, em Alverca, ainda mais ciclópica e irritava, ainda mais, as bancadas. O tempo avançava e não se marcava. Aos 90’, Jardel marcou o golo redentor. O resultado poderia ter tombado para qualquer lado da fasquia. Tombou para o nosso.
Acredito que o resultado de sexta-feira se enquadra nesta categoria. O Sporting construiu hipóteses flagrantes para ganhar com margem folgada. Falhou tudo. O Estrela teve duas hipóteses. Marcou uma. Poderíamos e deveríamos ter, no mínimo, empatado. Mas este era um jogo… daqueles. E tombou para o adversário.
Estes momentos definem uma equipa, marcam-na para o futuro. Abalam-na ou fortalecem-na, consoante o desígnio que o centímetro a mais ou a menos produz. São equivalentes à bola de ténis que toca na rede e cai, ora para um lado, ora para o outro, como se tivesse vontade própria e quisesse premiar aleatoriamente um dos atletas. Minam o moral e arruinam a confiança.
A resposta da equipa na Figueira da Foz é, por isso, decisiva.

Nota final: Nos três exemplos que dei, há uma lição adicional a retirar. O Sancho não pôde ver os encontros com o Campomaiorense de 1999 e com o Setúbal de 2001. Mas sexta-feira esteve em Alvalade. Alguém tem um bastão?

12 Comments:

At segunda-feira, 12 dezembro, 2005, Anonymous Jonathandisse...

O´Sancho. Vê lá se vais ver o Benfica. Ou então vai a Alvalade com um colar de alhos para espantar espíritos. Porra!

 
At segunda-feira, 12 dezembro, 2005, Anonymous Petrovichdisse...

Esse golo com o Setúbal foi uma descarga de 1.000.000 Watts depois de um jogo que devíamos ter perdido - ainda estava a berrar e a correr para cima e para baixo na Superior Sul quando me vieram buscar com uma camisa-de-forças com a desculpa idiota que tinham de fechar a iluminação.
Na sexta, foi ao contrário, culminando com o penalty do Liedson. Diga-se que desde o intervalo que se sentia que este não era o nosso jogo - nem o nosso campeonato. Riam-se à vontade dos pressentimentos. Após de sofrermos em seis meses desilusões mais crueis do que a Convenção de Genebra permite num século, quem nos pode criticar para nos virarmos para o misticismo?

 
At segunda-feira, 12 dezembro, 2005, Blogger Bulhão Patodisse...

Lol

 
At segunda-feira, 12 dezembro, 2005, Blogger Sancho Urracodisse...

1 - A propósito deste post, relembro outro jogo maldito que nos arredou do título: um Sporting-E. Amadora, em que a 3 minutos do fim o Balakov falhou um penalty e, na resposta, sofreu um golo por um tal de Mário Jorge. Lembram-se?

2 - Odeio o Estrela, uma espécie de Benfica B e que, ainda por cima, tem jogadores emprestados pelo Sporting

3 - O Bulhão está a envenenar-vos: assisti "in loco" ao Sporting-campomaiorense e ao Sporting-Setúbal, assim como já tenho 4 títulos no meu currículo

4 - Por fim, recuso-me a servir de bode expiatório para tudo o que de mal acontece ao Sporting. Os agoiros estão lá desde 1906. E, depois, podem tirar o cavalinho da chuva porque este vosso (eu, no caso) emblema de prata nunca deixará de ir para o seu lugarzinho em Alvalade.

 
At segunda-feira, 12 dezembro, 2005, Blogger Peyroteodisse...

Falta de qualidade, falta de eficácia...Enfim, são estes jogos que decidem os campeonatos! Mas continuamos a acreditar, como sempre!

 
At segunda-feira, 12 dezembro, 2005, Blogger Bulhão Patodisse...

Tens provas, Sancho? Guardaste os canhotos?

 
At segunda-feira, 12 dezembro, 2005, Blogger Ruidisse...

Começo verdadeiramente a ter pena do Sancho... meu amigo, aqui tens um apoiante sempre que necessitares.

Vai a Alvalade, senta-te na tua cadeira e tenta vibrar com o nosso Sporting... o problema já sabemos há muito é de organização antes de tudo o mais.

PS. Tb me lembro de um jogo importante com o Setubal, ganho com um golo ao fim do Vujacic, creio.

 
At segunda-feira, 12 dezembro, 2005, Anonymous Sector B32disse...

É incrivel mas eu e o Peyroteo estávamos precisamente a falar disso quando estávamos a descer as escadas no final do jogo!! Recordámos esse jogo contra o campomaiorense e esse jogo contra o estrela. Comunhão de pensamentos, pelos vistos...

Há realmente jogos onde pressentimos o arranque para alguma coisa, e outros onde pressentimos que... acabou. E sem querer ser agoiro, este foi daqueles jogos em que os jogadores do Sporting disseram aos adeptos "meus caros, este ano podem esquecer"

Mas o sportinguista é sonhador e crente e por isso na 6ª feira, já tudo ficou para trás :) Life goes on.

P.S. este fenómeno não é exclusivo de Alvalade. Só não vê quem não quer que, se por acaso o Sporting tivesse tido mais felicidade que o benfica naqueles penaltys do jogo da taça no ano passado, provavelmente o trapp seria despedido nessa semana e muito provavelmente o Benfica não ganharia o campeonato. claramente esse foi "o" jogo que marcou o crescimento do Benfica o ano passado. Infelizmente às nossas custas.

 
At segunda-feira, 12 dezembro, 2005, Blogger Guitarristadisse...

Quando não são os árbitros, é o Sancho; quando não é o Sancho, é o Labreca... Até o Dias da Cunha já levou pela medida grande!

Meus amigos: o vosso problema é só um. O clube que têm no coração. Não tem remédio, não há solução. Sois assombrados! Se Shopenhauer disse do Homem que este é "um ser para a morte", eu, Guitarrista Famoso, digo que o Sportinguista é "um ser para o sofrimento". E só não digo "ser para o desespero" porque Shopenhauer dizia do Sofrimento que este era a "doença mortal". Foi, portanto, apenas uma forma que utilizei para evitar a conclusão lógica "o sportinguista é um ser para o desespero, logo, um ser para a morte". Nada disso, que não vos desejo tanto. O vosso sofrimento já me basta.

 
At terça-feira, 13 dezembro, 2005, Anonymous Apredisse...

Infelizmente este é daqueles jogos que marcam uma época.

Desculpa Sancho, mas acho que o vosso sector devia deixar uma marca tão visivel no Sancho como a que o Estrela deixou no Sporting 2005/2006.

 
At sexta-feira, 16 dezembro, 2005, Blogger Visigordodisse...

Mas ó Guitarrista, Shopenhauer ainda disse que "o desespero é esperança". Conheces algum clube com maior esperança que o Sporting?
Pergunto eu: 18 aninhos sem ganhar o campeonato (não confundir com não ganhar nada, porque a vitória na taça não foi muito diferente de este ano tirar as pessoas dos ghetos e pô-las na rua. Aliás, foi muito diferente, tinhamos muito melhor aspecto.).
O Sporting sempre teve melhores casas que o Benfica e nem precisamos de recorrer à proprorcionalidade. O Sporting é constante, o Benfica quando está a perder é a merda que se vê.
Seis milhões. Gabam-se de quê?

 
At sábado, 17 dezembro, 2005, Blogger Lars o Kirkdisse...

Quando eu voltar a alvalade (tá quase) ofereço-te o meu taco de basebol para fazeres com ele o que achares conveniente...

 

Enviar um comentário

<< Home